sábado, 4 de fevereiro de 2012

"Pequenos detetives"

Um bom observador de aves comporta-se como um detetive. Ele é muito curioso e atento. Vive olhando para tudo, á procura de pegadas, marcas e pistas. Dia 17 de setembro, levamos nossos “pequenos detetives” para mais um dia de campo. O local escolhido desta vez foi a Chácara Anis, localizada a 10 km da cidade de Aquidauana e ao pé da serra de Maracajú.

O dia estava ensolarado e quente e as crianças estavam muito animadas. Ao chegarmos ao local, as crianças foram acomodadas a sombra de árvores ao redor da sede enquanto a proprietária, Sra Anelize, dava as boas vindas com muito entusiasmo. Esta é uma atividade a qual ela gosta muito e apóia, pois a principal atividade econômica em sua propriedade é o turismo de observação de aves. Assim, ela abriu sua propriedade para que pudéssemos passar uma tarde agradável com os integrantes do COMAP observando as aves que ocorrem no local. Após algumas instruções de praxe sobre cuidados no campo, manuseio e maneiras para melhor observar aves, saímos à procura destas criaturinhas cantoras, grandes ou pequenas, mas fascinantes!

As crianças receberam binóculos cedidos pela Sra Anelize, binóculos antigos os quais haviam servido para soldados russos avistarem seus inimigos durante a segunda guerra mundial e que agora, fugindo ao percurso da história, seriam utilizados por crianças, na observação de cores, tamanhos, diversidade, cantos, flores, vida! Mesmo apresentando algumas limitações (pois os binóculos não possuíam zoom, sendo a visualização melhor quando os animais estavam longe), os binóculos foram muito importantes para a atividade, uma vez que cada criança recebeu um binóculo. O fato de todas as crianças possuírem um binóculo facilitou o avistamento das aves, uma vez que todas conseguiam ver a espécie avistada ao mesmo tempo.


Imaginei com se fossem soldados numa guerra diferente onde o alvo era as aves e a vitória o aprendizado sobre as inúmeras espécies avistadas nesta tarde. Quando cada criança recebeu “seu” binóculo foi possível notar a alegria na fisionomia delas, é como se sentissem pessoas importantes. Logo, em campo, um casal de tesourinha (Tyrannus savana) foi a primeira atração do dia. Pousadas numa arvore baixa o casal se deixou observar dando um show de comportamento, voando e capturando insetos e voltando a pousar no mesmo galho. As crianças também deram um show a parte, pois se comportaram como “experientes” observadores de aves, observando e anotando tudo numa caderneta. Todas as crianças conseguiram observar esta espécie e além do casal de “tesourinha-do-campo”, observaram também um lagarto (Tropidurus torquatus) que corria pelo tronco tentando se esconder.

Muitas espécies de aves foram avistadas, além de um tamanduá-bandeira que resolveu dar o “o ar de sua graça” passando descontraidamente pelo pasto, parando aqui e ali para se alimentar. No final da tarde um casal de araras azuis apareceu no local e pousou numa das palmeiras de bocaiúva para se alimentar. Cezar foi à frente para fotografar enquanto as crianças empunhavam seus binóculos para observar. Com o aproximar das crianças as araras voaram e pousaram num angico branco (Albizia niopioides) de onde não saíram ate que fossemos embora.


Neste dia foi observado e identificado um total de 25 espécies de aves na Chacara Anis. Os ambientes percorridos foram área de pasto, e brejo.Um fator muito positivo de se trabalhar com crianças é a resposta imediata quanto ao que ensinamos a elas. Observamos que a maioria das crianças marcava todas as aves avistadas num caderninho. Uma criança, em especial, nos chamou bastante a atenção durante esta saída a campo. Rodrigo, de apenas 9 anos, foi um exímio observador. Uma demonstração disso foi no final da tarde quando estávamos a uns 100 metros da sede e avistamos uma ave pousada no ninho artificial 2162. Quando perguntado que ave seria aquela, sem medo de errar ele respondeu que era um pica-pau, qual não foi minha surpresa quando posicionei o binóculo e tive a confirmação de que realmente era um pica-pau (Dryocopus lineatus).


domingo, 1 de janeiro de 2012

Crescendo e aparecendo...

Os observadores-mirim de aves foram convidados e estiveram presentes na I Gincana Ambiental realizada no Parque Municipal da Lagoa Comprida na cidade de Aquidauana, no dia 04 de julho de 2011.



A gincana envolveu crianças de todas as escolas municipais, estaduais e particulares que participaram durante um mês da coleta seletiva de lixo que está em processo de implantação na cidade através do Projeto Arte de Fazer e Reciclar, executado pelo Instituto Arara Azul e patrocinado pela Petrobrás.

Criança e passarinho!!!!

Criança e passarinho são minhas paixões! As aves me encantam por suas belas cores e pelas melodias que emitem. Crianças são a essência da vida, o reflexo do amor. Após fazer um curso de observação e mergulhar no universo das aves, fiquei pensando onde poderia aplicar o conhecimento obtido. Após trocar uma idéia com um amigo incomum, decidimos que esse conhecimento seria muito bem aproveitado se ensinássemos crianças a observar aves! Ótimo! E a primeira saída a campo já estava marcada. Foi num sábado a tarde que nos reunimos com 6 crianças no Parque Nacional Municipal da Lagoa Comprida na cidade de Aquidauana MS. Ali, as crianças tiveram seu primeiro contato com o binóculo, o guia de campo "Aves do Brasil Pantanal & Cerrado" e foi-lhes passadas outras informações necessárias para um bom observador de aves.



Logo, saímos pelo parque a procura deles, os pássaros...e não demorou muito para avistarmos as primeiras aves que por coincidência ou não eram duas araras Canindé que passaram vocalizando e rapidamente tomou a atenção de todos.



Muitas aves foram avistadas, algumas, vimos somente a silhueta pois passaram voando como uma flecha, outras se mostravam bem a vontade no ambiente e não se incomodavam com a nossa presença como um casal de Birro (Leuconerpes candidus), uma espécie de pica-pau branquinho pousado numa palmeira de bocaiuva (Acrocomia totai)seca e quebrada, que chamou nossa atenção e ficamos por alguns minutos olhando atentamente seu comportamento. Entre as diversas aves presentes no Parque avistamos uma espécie da gavião que sobrevoava próximo a borda da lagoa e logo pousou num galho seco. Era o gavião-caramujeiro (Rostrhamus sociabilis)com o seu canto um tanto esquisito. Explicamos para as crianças que esta espécie se alimenta de caramujos por isso possui o bico com uma ponta bem fininha e sempre é visto próximo a locais alagados. Uau, ver uma ave dessas tão de pertinho foi o máximo!!!



A atividade de observação de aves é extremamente prazerosa e ensinar as crianças foi mais que bom! Foi fantástico perceber que no final da tarde tínhamos conseguido avistar e identificar 10 espécies diferentes de aves, claro, as mais comuns e mais fáceis de se avistar, mas já foi um grande começo! Todos se deliciaram com essa atividade!

sexta-feira, 24 de junho de 2011

O nascer de uma boa idéia

Tudo começou quando Cézar Correa durante uma viagem ao município de Águas do Miranda (localizado á 56 km da cidade de Aquidauana), fazia uma lista de aves que ocorrem na região. A exuberância da natureza local onde correm rios de águas cristalinas o impressionou. Entretanto, havia tanto lixo espalhado pelas vias que ficou a pensar no que poderia fazer para mudar aquela situação. Talvez reunir um grupo de crianças, explicar-lhes a importância de preservar o meio ambiente e mantê-lo limpo e depois coletarem o lixo como um ato simbólico para a preservação local. Este vilarejo composto por famílias de pescadores, tem na pesca sua principal atividade econômica. A atividade pesqueira desenvolveu-se junto com a falta de infraestrutura e investimentos políticos e notáveis problemas sociais são vistos na região, dentre eles a prostituição, que é mantida pela "pesca turística" durante todo o ano. Não há muito investimento em lazer e atividades extracurriculares para a população, as crianças locais passam grande parte de seus dias ociosas e vêem seu destino na pobreza e prostituição. Diante deste quadro,Cézar teve a idéia de montar um grupo de observadores-mirim de aves. Uma vez que a região apresenta um grande potencial turístico, a observação de aves para crianças pode ajudar a instigar em suas mentes jovens o valor e o amor pelos animais, bem como dar incentivo a formação de futuros guias de turismo.